Neuralgia do trigêmeo

     A neuralgia do trigêmeo é uma dor lancinante, em metade da face, que dura alguns segundos e pode ser desencadeada por estímulos sensitivos como o vento, escovar os dentes, alimentar-se ou mesmo tocar a face. A dor pode ser referida como choque, pontada ou agulhada e é de tal intensidade que freqüentemente leva o paciente a procurar auxílio médico hospitalar com urgência.
     O nervo trigêmo é responsável pela sensibilidade da face desde a parte frontal do couro cabeludo até o queixo e pode ser dividida em 3 "faixas" (V1, V2 e V3). A dor geralmente irradia por 1, 2 ou 3 destas faixas, sempre respeitando a metade do rosto.
     A causa mais comum desta dor é a compressão do nervo trigêmeo por uma artéria localizada dentro do crânio e que pulsa sobre a raiz nervosa. Outras causas são as idiopáticas (sem causa determinada), secundárias a Esclerose Múltipla (EM) ou a tumores intracranianos.
     Muitas vezes, outros tipos de dores faciais podem ser confundidos com a Neuralgia do Trigêmeo típica, e nesses casos, outras causas podem ser identificadas: infecção por herpes zoster (neste caso a dor é contínua e não paroxística, vesículas e crostas acompanham a dor), doença dentária, doença orbital, arterite temporal ou, novamente, tumor intracraniano. Não é incomum o fato de muitos pacientes com trigeminalgia típica, as vezes procurarem o neurocirurgião após inúmeras tentativas de extração dentária para o alívio da dor!
     Medicamentos como a Carbamazepina, o Baclofeno e a Gabapentina geralmente são de grande valia para o tratamento clínico da trigeminalgia.
     O que muita gente desconhece, é que quando a dor não é bem controlada com os medicamentos ou quando o paciente não tolera mais o tratamento clínico, existem opções cirúrgicas com alto índice de sucesso.
     A neurotomia do trigêmio por balão, por exemplo, é um procedimento que pode ser realizado sob sedação e anestesia local e, através de uma punção por agulha ao lado da boca, o nervo trigêmio é alcançado. Então, realiza-se uma pequena compressão da raiz nervosa com o auxílio de um balão. Esta compressão é suficiente para impedir a transmissão dos impulsos dolorosos através do nervo e a pessoa pode ficar livre da dor por meses, ou até definitivamente. Outras opções como a rizotomia por radiofreqüencia e a descompressão neurovascular através de craniotomia suboccipital são também opções terapêuticas muito interessantes para determinados casos e podem levar a cura da doença. Converse com o seu neurocirurgião e descubra qual a melhor forma de tratamento para o seu caso!
 
Referências: Greenberg. MS, Manual de Neurocirurgia. O'Connor T, Atlas of Pain Injection Techniques.