Enxaqueca

Conheça mais sobre a enxaqueca e não deixe que este problema se torne uma dor de cabeça!

Toda dor de cabeça é enxaqueca?

     Não! Existem mais de 300 tpos diferentes de dor de cabeça. E, apesar de muito comum, enxaqueca não é a mais frequente delas. 

O que causa a enxaqueca?

     Sua causa é desconhecida, no entanto existem várias teorias. A mais aceita é a de que o sistema nervoso, quando submetido a mudanças bruscas corporais ou do ambiente externo, torna-se vulnerável, causando uma inflamação nos vasos sanguíneos do cérebro.

     O desencadeador deste processo pode ser uma associação entre a predisposição genética e agressões do meio ambiente: estresse, fortes emoções, cansaço, flutuações hormonais (incluindo o ciclo menstrual), luzes brilhantes, alimentação com excesso de frituras e gorduras, bebidas alcoólicas, sedentarismo, poucas horas de sono e até mesmo o uso exagerado de remédio para enxaqueca.

Como reconhecer a enxaqueca?

     O quadro clínico é bem característico:

  • dores de cabeça com duração de 4 a 72h
  • a freqüência destas dores é inconstante, não se manifesta em período integral
  • as dores são agravadas por atividades físicas ou qualquer movimento mais intenso
  • as dores se manifestam acompanhadas de náusea, sensibilidade à luz, som e odores fortes.

     Nem sempre o paciente apresenta todos os sintomas típicos da enxaqueca, no entanto, o médico é capaz de reconhecer a enxaqueca pelos sintomas descritos, evolução da doença e resposta ao tratamento instituído. Não são necessários exames complementares (tomografia ou ressonância) na maioria dos casos.

Crianças podem ter enxaqueca?

     Sim! Os pequenos podem ter esse tipo de dor de cabeça desde os 4 ou 5 anos. Mas neles pode ser ainda mais difícil reconhecer, pois não conseguem descrever bem o que sentem. Geralmente ficam mais quietos, choram e queixam-se de dor de cabeça, deixando os pais aterrorizados. Por não ser uma doença típica da infância, toda criança com dor de cabeça deve ser vista por um neurologista infantil. 

Como tratar a enxaqueca?

     Antes de mais nada, é muito importante consultar um médico para que ele avalie a gravidade e as causas de sua enxaqueca. Tratando as causas certamente haverá uma melhora dos sintomas. O uso de medicamentos anti-enxaquecosos sem prescrição médica pode aumentar a freqüência das crises de enxaqueca. Utilizar medicamentos para dores de cabeça comuns também podem agravar o quadro, além de não trazer resultados.

Como prevenir a enxaqueca?

     Seguem algumas medidas que podem ser tomadas e que baseiam-se principalmente na mudança de hábito:

  • alimentar-se corretamente é fundamental
  • não fique sem se alimentar por longos períodos de tempo
  • prefira verduras e frutas
  • evite o excesso de condimentos e defumados
  • faça refeições leves antes de dormir
  • tome muita água
  • evite álcool, refrigerantes e corantes amarelos
  • não fume
  • fique longe de cheiros fortes
  • faça exercícios regularmente
  • evite chá, café e chocolate
  • durma o tempo necessário
  • evite tensões e situações estressantes
  • evite queijos amarelos, clara de ovo e comida japonesa.

Técnicas para aliviar a enxaqueca

Relaxamento: o método de relaxamento mais utilizado é o tipo progressivo, que consiste em tensionar e depois relaxar os principais grupos de músculos, iniciando nos pés e repetindo os movimentos lentamente até chegar à cabeça

Massagens: massageie suavemente e em forma de círculos o couro cabeludo, passando lentamente para os músculos do pescoço e em seguida dos ombros.

Exercícios aeróbicos: recomenda que sejam feitos exercícios aeróbicos diariamente, tais como caminhada, natação, corrida, etc

Durante as crises procure ir para um lugar silencioso e escuro. Tente relaxar.

 

Diário da enxaqueca

  • Para um melhor acompanhamento dos resultados de seu tratamento, é ideal que você preencha diariamente este material
  • Assinale o mês em que se encontra no local indicado (alto à esquerda) e passe a registrar, a cada dia, a ocorrência ou não de enxaqueca.
  • Quando a dor surgir, marque os horários em que estiver presente (manhã, tarde ou noite) e alguns dos seus aspectos (intensidade, e sintomas que acompanhem o quadro), orientando-se pela legenda abaixo:

 

Intensidade da dor

1

Não interfere nas atividades

2

Interfere nas atividades

3

Impede as atividades

OBS: deixar em branco os períodos sem dor

 

Sintomas associados

N

Náusea

V

Vômitos

FT

Fotofobia

Outros (Especificar)

 

Medicamentos utilizados (preencha com os nomes das medicações que costuma utilizar

1

 

2

 

3

 

4

 

5

 

 

Fatores Precipitantes (Exemplo: cheiro forte, comida, noite mal dormida...)

1

 

2

 

3

 

 

 

 



 

Autor: Dra. Marcela Amaral Avelino Jacobina

O que você acha deste artigo?: 
0
Sem avaliações