Herpes Virus

No geral, ela dói, coça e arde, mas o maior incômodo de quem tem herpes são os olhares preconceituosos uma vez que grande parte da população acredita que o vírus é transmitido apenas por meio de relações sexuais.

Na realidade, o Herpes Simplex Vírus (HSV) pode ser transmitido também através do beijo e do compartilhamento de objetos, como talheres e batom. E no verão o problema tende a se manifestar com mais frequência por conta da exposição exagerada ao sol.

Em entrevista para o programa “Bom Dia Gazeta”, o casperiano Bruno Capozzi conversou com a Drª Aline Pantano Marcassi, dermatologista do Amato Instituto de Medicina Avançada, sobre o principal fator causador da lesão, as suas principais formas de tratamento e as medidas a serem tomadas para controlar o problema.

 

Entrevistador: Algumas pessoas sofrem com o problema que não é muito sério, mas incomoda bastante que é a herpes, aquela ferida que fica assim no canto da boca não é muito bonito e incomoda bastante e algumas pessoas não sabem exatamente como tratar da forma correta. É por isso que vamos conversar com a doutora Aline Pantano Marcassi, ela que é dermatologista do Amato Instituto de Medicina Avançada, doutora Aline, seja muito bem vinda ao nosso programa. Dra Aline: Oi, bom dia.

Entrevistador: Bom dia. Doutora Aline, qual é o principal fator causador da herpes e o que a herpes exatamente?

Dra Aline: O herpes simples na verdade é um vírus que existem dois tipos principais, o tipo 1 que acontece mais na mucosa do lábio e o tipo 2 que acontece mais na mucosa genital e como é um vírus ele é transmissível então, a principal forma de transmissão é por contato pessoal ou com a mucosa ou com feridas da pele de uma pessoa que esteja infectada.

Entrevistador: E no caso da herpes simples esse que dá no canto da boca, as pessoas costumam sofrer porque vai e volta, é alguma coisa genética ou realmente a pessoa pega apenas no contato?

Dra Aline: Não, ela pega apenas no contato, só que uma vez que a pessoa adquiriu o vírus então, pode ter a primeira lesão e depois que há melhora ela fica adormecida nos gânglios e ai ela pode voltar sempre que tiver uma diminuição de imunidade ou por exposição solar prolongada ou por febre, por estres ou até mesmo por trauma. Então, ela sempre pode voltar quando acontecem essas coisas.

Entrevistador: E quais as principais formas de tratamento?

Dra Aline: O tratamento com pomada ele não altera muito a evolução do surto, o melhor tratamento é por comprimido via oral e ai assim diminui a intensidade e duração dos sintomas e além de tornar as crises mais espaçadas com antivirais.

Entrevistador: A herpes pode causar algum problema mais sério ou é realmente ´só aquele feridinha na boca que incomoda e não tem muito o que evoluir além disso?

Dra Aline: Não, herpes simples ele é mais local mesmo problema mais sérios são muito raros.

Entrevistador: E você tem alguma dica para quem sofre com a herpes, tem muita ocorrência do vírus, aumento da imunidade alguma coisa que possa fazer para pessoa parar de sofre com esse problema, que apesar de não ser sério, incomoda.

Dra Aline: Quando a pessoa tem muitas crises recorrentes então ai o ideal é consultar um médico dermatologista porque pode fazer o tratamento de supressão, que é usar o antiviral em uma dose menor por um tempo prolongado para evitar crises, mas isso a gene só faz quando a pessoa tem crises muito recorrentes mesmo.

Entrevistador: E existe cura para o herpes ou realmente, como você comentou que ele fica armazenado nos gânglios então, ele pode acabar voltando a qualquer momento, mas existe uma cura para a pessoa não ter mais esse problema?

Dra Aline: Cura ainda não, o tratamento é das crises mesmo.

Entrevistador: ah, perfeito. Doutora Aline, o problema é apenas da imunidade, então quando a pessoa abaixa imunidade o vírus pode voltar então, práticas de saúde como praticar esportes, essas coisas para a saúde em geral, podem contribuir?

Dra Aline: Ah, sim, boa alimentação, praticas esportes coisas que melhoram a imunidade, né, mas às vezes é difícil controlar, por exemplo, se a pessoa tiver uma gripe, um resfriado e ele tiver uma febre ele pode voltar ou período de maior estres então, é um pouco difícil de controlar isso.

Entrevistador: E com relação ao momento em que a pessoa contrai o vírus, por exemplo, ela mexeu em algum lugar que está com o vírus está contaminado depois mexe na boca é fácil assim ou é através do beijo, por exemplo?

Dra Aline: Através de objetos pode ser transmitido, mas não é tão comum, o vírus morre rápido, só se fosse um contato mais próximo mesmo então, por exemplo, se uma pessoa for lá enxugar numa toalha de rosto e outra for enxugar imediatamente depois pode pegar ou compartilhar copos num mesmo momento, mas um copo que foi usado e lavado ai não transmite é mais por contato local esse contato por objetos é mais raro.

Entrevistador: Estamos conversando com a doutora Aline Pantano Marcassi, ela que é dermatologista do Amato Instituo de Medicina Avançada, doutora Aline, infelizmente nosso tempo é curto, estamos chegando ao final da nossa entrevista, mas eu gostaria de deixar um espaço para você comentar algo que não teria sido perguntado ou dar dicas aos nossos ouvintes que sofrem com essa doença aqui na comunidade [que temos], não é algo sério, mas é algo recorrente que incomoda, para ele se livrarem desse problema.

Dra Aline: Ai quem tem herpes na verdade o ideal é procurar um médico no início do surto, porque quando o remédio é administrado nas primeiras 48 horas, ele tem amis efeito, se for procurar um médico numa fase já mais tardia o remédio já não melhora tanto então, o que eu recomendo é procurar um médico nas primeiras 48 horas, quando começar a ter a lesão ativa ou até mesmo quando começar a ter uma dor que algumas pessoas tem que não é dor, se começar o remédio nesse momento ele pode até inibir o surto.

Entrevistador: Muito bem, muito bem, dicas da doutora Aline Pantano Marcassi, dermatologista do Amato Instituto de Medicina Avançada, doutora Aline, muito obrigada por sua participação e por sua disponibilidade, tenho certeza que os nossos ouvintes que sofrem com esse problema estarão agora muito mais bem informados como deve ser o tratamento dessa doença.

Dra Aline: Imagina, obrigada você.

0
No votes yet