Há casos em que a telemedicina não está indicada

Telemedicina

Em tempos de pandemia da covid-19, o recurso da telemedicina foi aprovado em caráter de emergência. Porém, a tecnologia não pode ser aplicada sempre.

Nos casos de câncer de pele pode ocorrer progressão da lesão com seu aumento e, às vezes, até sangramento da lesão. Nesses casos, a conduta do especialista fica limitada quando feita a consulta por meio da telemedicina, pois é preciso um exame mais detalhado para entender melhor a situação e propor um tratamento.

Apesar do coronavírus, há outras doenças que não podem esperar a pandemia acabar, como são os casos de câncer de mama. Diagnosticada a doença e com indicação de mastectomia (retirada da mama), é preciso que a cirurgia aconteça o quanto antes. Caso já haja a liberação do mastologista para a reconstrução mamária, as duas cirurgias podem ser feitas em conjunto.

A reconstrução mamária é coberta pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e pelos planos de saúde no Brasil, porém, a reconstrução, seja ela imediata ou tardia, deve ser individualizada, respeitando as condições clínicas e tratamento ao qual a paciente será submetida.

 

*Dr. Fernando Amato

 

*Dr. Fernando Amato é médico cirurgião plástico, membro titular pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, membro da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS) e da Sociedade Americana de Cirurgiões Plásticos (ASPS).

 

 

LEIA TAMBÉM:  Rugas e Estrias
LEIA TAMBÉM:  Cirurgia estética entre adolescentes pode ter relação com bullying