Pular para o conteúdo

Principais Tipos de Anti-inflamatórios: Uma Visão Geral

Os anti-inflamatórios são medicamentos essenciais no tratamento de diversas condições médicas. Eles atuam minimizando os sintomas da inflamação, que é uma resposta do sistema imunológico a infecções ou lesões dos tecidos. Este artigo explora os principais tipos de anti-inflamatórios, destacando suas características e aplicações.

Sumário

No vídeo, Dr. Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato, discute os benefícios da cúrcuma e sua relação com a circulação sanguínea. A cúrcuma é amplamente conhecida por seu principal principio bioativo, a curcumina, que tem múltiplos benefícios para a saúde, incluindo propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes. No entanto, seu uso como tempero tem absorção limitada, portanto, para obter seus benefícios, ela deve ser consumida de maneira mais eficaz. Além disso, alguns estudos mostraram que a curcumina pode beneficiar a saúde cardiovascular ao diminuir o endurecimento das paredes dos vasos sanguíneos e promover a saúde do colágeno e da elastina na parede dos vasos. No entanto, o Dr. Amato adverte que ainda é necessária mais pesquisa para entender completamente os benefícios da cúrcuma e citou poucos estudos que discutem seu potencial benefício para doenças venosas. Para aumentar a biodisponibilidade da cúrcuma, a piperina pode ser usada junto com a cúrcuma. As doses diárias utilizadas nos estudos variaram de 150 a 2000 miligramas.

Olá, sou doutor Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato e hoje eu vou falar sobre a cúrcuma que é um tempero super conhecido, adorado por muitos e a relação com a circulação, se tem efeito na má circulação e o que poderia ajudar ou piorar. Fica comigo que até o final vou te dar até dicas de uso, dica de preparo, como utilizar pra ter algum efeito. Mas antes disso, pega esse link do vídeo, encaminha pra quem você gosta e que quer bem porque isso aqui vai te ajudar a melhorar a sua saúde. Me conta lá embaixo nos comentários, você gosta de cúrcuma? Você costuma colocar cúrcuma na alimentação? Lá em casa, por exemplo, a gente adora, né? Arroz sempre a gente coloca cúrcuma, sempre tá colocando sempre que possível. Tem o aspecto positivo disso aí, mas tem que saber que o uso da cúrcuma como tempero, ele é fraco, ele não tem todo esse efeito que eu vou falar aqui. Então, a curcumina é o princípio ativo principal, bioativo, né, da cúrcuma longa, que é o açafrão da terra, também chamado de gengibre amarelo. Se você cortar no meio, você vai ver que ele é bem amarelão no meio, tem essa tonalidade exatamente por causa da cúrcuma. Ele é muito rico em polifenóis e eu vivo falando de polifenóis aqui no canal e do impacto dos polifenóis na saúde vascular. No caso da cúrcuma, né? O polifenol mais importante é uma classe, né? São vários, são os curcuminóides. Quando usa a cúrcuma como tempero, ela tem uma baixa absorção, então por isso que eu falei que apesar da gente colocar no arroz… A gente teria que colocar em toda alimentação pra conseguir absorver o suficiente pra ter algum efeito. Apesar disso, a cúrcuma já era utilizada há mais de três mil anos atrás como tratamento. Já tinha sido descrito. Então, vamos começar falando dos efeitos da cúrcuma, da curcumina no corpo, então o principal deles e o mais conhecido é o efeito anti-inflamatório. Quase todo mundo sabe que a cúrcuma tem um efeito anti-inflamatório. Agora tem alguns trabalhos que mostraram até que tem um efeito comparável com alguns anti-inflamatórios não esteroidais até mesmo alguns anti-inflamatórios derivados do do corticoide, então esse efeito é significativo, a questão é que a gente tem que ter a disponibilidade no nosso sangue, não adianta a gente comer e sair tudo pelas fezes, né? A gente tem que absorver e a grande vantagem comparado com o outros medicamentos é que tem uma baixíssima toxicidade. O efeito anti-inflamatório da curcumina, ele é muito complexo, ele vai envolver várias citosinas, várias células diferentes, várias proteínas. Eu vou tentar fazer aqui a forma mais simples de explicar tudo isso. Eu já tenho um vídeo inteiro sobre isso, né? A inflamação aguda, ela é boa, ela acaba gerando reparo do nosso tecido, a inflamação não. A inflamação crônica, ela faz mal. O efeito da curcumina é primeiro nas citosinas pró-inflamatórias que acabam desencadeando essa inflamação e inibindo a migração dos macrófagos. Os macrófagos são parte do nosso sistema de defesa, então essas células vão atrás de algum ataque no nosso corpo e normalmente a inflamação significa que tá acontecendo algum ataque, entre aspas aí naquele local. Então, a curcumina acaba inibindo o fator de que é o TNF-alfa e a interleucina-seis, que são fatores inflamatórios significativos e ele também modula o nosso sistema imune. Algumas pessoas acabam falando “ah, porque aumenta a imunidade.”. Não, não é que aumenta, ele modula de forma que deixa numa intensidade correta, nem pra mais, nem pra menos. Alguns estudos mostraram até que ele aumenta os marcadores anti-inflamatórios no nosso corpo e diminui os pro-inflamatórios. Agora a curcumina tem outro efeito também é muito conhecido, né? Que é o efeito antioxidante. O efeito antioxidante, o efeito anti-inflamatório, eles andam juntos. O que a curcumina faz? Ela vai diminuir aquelas espécies reativas de oxigênio que fazem parte da oxidação do corpo e preserva a função mitocondrial. Mitocondrial é aquela organela que tem dentro da célula que ela é responsável pela respiração celular e ela que produz a energia da célula, então curcumina acaba protegendo e preservando a função dessa mitocôndria. E como que ela faz isso? Aumentando um mecanismo nosso corpo que é a superóxido dismutase e dessa forma aumentando nosso sistema de defesa da oxidação. Então a oxidação é um fenômeno que acaba quebrando algumas moléculas nossas e levando ao envelhecimento e a várias doenças. Tem alguns trabalhos que mostraram efeito bactericida, bacteriostático, antiviral, antifúngico. Eu não vou entrar nesse mérito, se você quiser que eu fale disso, por favor comenta lá embaixo que eu posso fazer um vídeo sobre esse assunto, mas aqui eu tô falando da curcumina e a sua influência na circulação. Afinal, sou cirurgião vascular. Tem trabalho estudando a curcumina com câncer, curcumina com com Alzheimer, diabetes, artrite, psoríase. Então, tem todas essas doenças aí porque realmente é uma substância bem interessante e com propriedades bem úteis pro nosso corpo. Agora do ponto de vista vascular, eu vou buscar o dano endotelial. Endotelial é aquela primeira camada de células dentro da artéria. Então na parede do vaso, a curcumina tem um efeito de diminuir esse enrijecimento da parede vascular, a parede não fica tão dura, né? Que é exatamente o processo de evolução da aterosclerose, principalmente quando a curcumina é consumida junto com o exercício físico, esse efeito é mais benéfico em pacientes que tem também diabetes, esse efeito é benéfico, já foi demonstrado em pesquisa científica, melhorando aí vários dos parâmetros hemodinâmicos. Agora a curcumina tem também um efeito anti apoptótico. O que é isso? Apoptose é a morte programada da célula. Então, todas as nossas células, elas nascem com um tempo de vida programado. Elas vão morrer, não tem como não morrer. Agora a curcumina, ela acaba postergando essa morte, acaba empurrando o reloginho um pouquinho mais pra frente. Isso ficou demonstrado nos cardiomiócitos, são as células musculares do coração, então tem um efeito aí cardiovascular importante. Agora, já tem relato na parede vascular da curcumina melhorar o colágeno, melhorar também a elastina, que são as duas estruturas principais da parede do vaso, exatamente a falha no colágeno, falha na elastina que acaba levando a formação de aneurismas, aquela fragilidade da parede do vaso, grandes rompimentos por causa dessa fragilidade do vaso. Então, se a gente tem o colágeno, que é o tijolinho que acaba formando a nossa estrutura da parede vascular. Agora não é sem risco, esse é um grande problema, a curcumina, ela é um tempero, ela tá disponível pra todo mundo, é fácil, compra no supermercado. Será que ela é realmente zero toxicidade? Será que não tem influência nenhuma negativa na na saúde? Tem alguns trabalhos que mostraram uma alteração no intervalo QT. O que é isso? É no eletrocardiograma, ou seja, na parte elétrica do coração. Tanto isso é relevante que algumas pessoas propuseram o uso da curcumina junto com a outra medicação pra tentar diminuir esse efeito, outras pessoas começaram a colocar a curcumina em formato diferentes, né? O nanoformatos ou disponíveis junto com uma molécula carreadora, carregadora dela, que acaba pegando e levando moléculas lipídicas e acaba liberando de forma mais controlada e evitando essa alteração no eletrocardiograma e a baixa disponibilidade, né? Não a disponibilidade no supermercado, isso aí você vai lá compra e é superfácil, eu tô falando disponibilidade no seu sangue. Significa o quê? Que se eu virar tudo isso aqui de de curcumina eu vou aproveitar muito pouco. Boa parte disso vai sair nas fezes do jeito que entrou. Então as vezes você gasta muito dinheiro com uma curcumina que tá entrando e saindo e não tá fazendo efeito nenhum. Então a gente tem que aumentar essa biodisponibilidade e isso tem como ser feito, eu vou explicar aqui porque afinal é um medicamento barato no ponto de vista custo benefício, né? Seria capaz de minimizar o impacto de uma das doenças que mais afeta o mundo inteiro, né, são as doenças cardiovasculares, que mais causa óbito no mundo inteiro. Imagina se a gente tem algo tão simples assim que a gente consegue diminuir na população toda a morte por causa disso. Seria muito interessante, mas pra isso a gente precisa ter mais pesquisa, mais estudo pra contornar aí os problemas relativos à curcumina. Agora já falei de todos os efeitos, falei de como que é a curcumina, o que faz, não faz no corpo. Ea má circulação, o que tem a ver? Bom, a gente divide má circulação e má circulação arterial que seria as doenças ateroscleróticas basicamente e a má circulação venosa. Então, aonde que tem todo esse impacto? Eu falei da fisiopatologia de tudo isso e essa fisiopatologia tá relacionada a doença aterosclerótica. Então, a aterosclerose tá nas artérias e não nas veias. Então, o uso da curcumina para profilaxia, pra prevenção de doença arterial faz sentido. Agora, como fazer isso pra doença venosa? Será que vale? Tem algum efeito? Olha, eu procurei muito na literatura científica algum efeito da curcumina em doença venosa em varizes. Não encontrei, não tem nada falando disso. Pelo modo como a curcumina funciona, eu acredito que ela possa diminuir um pouquinho a fase inflamatória da doença venosa. Então, poderia melhorar talvez um pouquinho dos sintomas inflamatórios da doença mas não vai prevenir a doença, principalmente porque a doença venosa, ela tá mais ligada a uma questão genética e seria mais um sintomático. Agora, na no quesito doença arterial, sim, ela tem um impacto, a gente precisa de mais estudo pra saber exatamente quanto que é esse impacto, mas nada impede de você começar a usar de forma profilática. Agora, qual que é a dica de uso? Como a gente deve usar a cúrcuma no dia a dia? Então, você pode colocar como tempero, sabe? Porque gosta do tempero, porque gosta do sabor, sabendo que tem essa biodisponibilidade limitada. Agora, você pode usar de uma forma mais controlada, né? Então, aí vai ser por meio de suplementos ou com a manipulação. Normalmente quando a gente faz a manipulação, a gente vai colocar uma outra substância junto, que é a piperina que vai aumentar a absorção da curcumina. Todos os estudos da curcumina na saúde vascular, a dose diária gira em torno de entre cento e cinquenta a dois mil miligramas por dia, então tem até trabalho com menos, com cento e dez, mas assim, a maior parte dos trabalhos tá entre duzentas miligramas e seiscentas miligramas por dia. Pra prevenção da doença vascular, a dose seria menor, faz sentido, né? Aí talvez em torno de quinhentas, seiscentas miligramas diárias junto com em torno de dez miligramas piperina é o suficiente pra ter uma boa absorção. Agora tem gente que relata doses altíssimas de curcumina no tratamento, então eu já ouvi gente falando três gramas, quatro gramas de curcumina no tratamento. Eu preciso falar que isso não tá embasado em literatura nenhuma, né? Como eu disse, os trabalhos chegam até dois gramas diários. Pra dois gramas diários a gente poderia colocar quarenta miligramas de de piperina junto pra aumentar essa absorção. Mas fora isso a cúrcuma é bem saborosa, é algo que você pode colocar no tempero da comida da sua família e sabendo que tá fazendo um bem. Gostou do nosso vídeo? Inscreva-se no nosso canal, compartilhe com seus amigos e fica aí que eu vou colocar o próximo melhor vídeo pra você assistir.

O que são Anti-inflamatórios?

Anti-inflamatórios são substâncias que reduzem ou impedem a inflamação. Eles funcionam diminuindo o transporte de células do sistema imunológico para a região afetada, aliviando sintomas comuns como calor, rubor e dor. Além disso, esses medicamentos podem ter efeitos antipiréticos (redução de febre) e analgésicos (diminuição da dor).

Tipos de Anti-inflamatórios

  1. Anti-inflamatórios Esteroides (Corticosteroides):

    • Estes medicamentos inibem a ação da enzima fosfolipase A2, reduzindo a produção de prostaglandinas e proteínas inflamatórias.
    • São comumente utilizados em doenças como asma e condições inflamatórias autoimunes (ex.: lúpus).
    • Possuem também ação imunossupressora, podendo ser aplicados em casos de alergias como rinite e conjuntivite.
    • Exemplos incluem cortisona e prednisona.
  2. Anti-inflamatórios Não-Esteroides (AINEs):

    • Inibem a enzima ciclo-oxigenase, responsável pela formação de prostaglandinas e tromboxanos, substâncias chave no processo inflamatório e da dor.
    • Geralmente indicados para condições mais comuns, como artrite reumatoide, artrose, gota, bursite, cólicas menstruais, entre outras.
    • Alguns dos princípios ativos mais conhecidos são o ácido acetilsalicílico, a dipirona sódica e o ibuprofeno.
  3. Anti-inflamatórios naturais
    1. Além dos anti-inflamatórios farmacológicos, existem alternativas naturais que podem auxiliar no controle da inflamação. Um exemplo notável é a cúrcuma, também conhecida como açafrão-da-terra, que tem sido usada há séculos em práticas medicinais tradicionais.
    2. Cúrcuma: Um Anti-inflamatório Natural: A cúrcuma contém curcumina, um composto bioativo com propriedades anti-inflamatórias fortes. Ela atua modulando vários processos inflamatórios no nível celular, interferindo nas vias de sinalização inflamatória. Estudos têm mostrado que a cúrcuma pode ser eficaz no alívio dos sintomas de condições inflamatórias crônicas, como artrite. Além disso, apresenta benefícios antioxidantes, ajudando na neutralização de radicais livres que causam danos às células. A cúrcuma pode ser utilizada na culinária, adicionando sabor e cor aos alimentos, além de seus benefícios para a saúde. Está disponível também em forma de suplementos, como cápsulas contendo extrato de curcumina. Embora a cúrcuma seja uma opção natural e com benefícios comprovados, é importante considerar que suplementos ou alimentos não substituem tratamentos médicos convencionais. 

Cuidados no Uso de Anti-inflamatórios

O uso indiscriminado desses medicamentos pode levar a efeitos colaterais graves, como toxicidade hepática e renal, gastrite e formação de úlceras. Por isso, é fundamental que sejam utilizados sob orientação e acompanhamento médico, especialmente em tratamentos de longa duração.

Conclusão

Entender os diferentes tipos de anti-inflamatórios e suas aplicações é crucial para um tratamento eficaz e seguro de condições inflamatórias. Consultar um profissional de saúde para orientação personalizada é sempre a melhor prática para garantir o uso adequado desses medicamentos.

Qual sua nota para este artigo?

0 / 5

Your page rank:

>
error: Alerta: Gostou do nosso conteúdo? Assine nosso canal!!