Infertilidade e os hormônios

Infertilidade e Hormônios

O desejo de ter filhos tem chegado cada vez mais tarde para as mulheres. Por muitas priorizarem a carreira, o desejo de ser mãe vai sendo adiado, e quando a vontade chega, a mulher se depara com dificuldades.

 

Infertilidade é caracterizada pela ausência de gravidez, após um ano de atividade sexual regular (2 a 3 x semana), sem proteção anticoncepcional. O problema atinge de 15 a 20 % dos casais, sendo um terço das causas do problema de ordem feminina; o outro um terço, masculina; e, o restante, decorrente de problemas em ambos os sexos.

Em relação às causas femininas, 40% são devido à problemas nas trompas e outros 40%, por disfunções na ovulação, processo que é todo regido por hormônios. Várias alterações hormonais podem ser responsáveis por anovulação e, consequentemente, pela dificuldade de a mulher engravidar.

 

Quanto mais velha a mulher desejar engravidar, maiores as chances dessas alterações hormonais interferirem negativamente no sucesso desse processo. Toda mulher que esteja tentando engravidar, deveria fazer uma investigação hormonal:  Síndrome do ovário policístico, excesso de prolactina, disfunções na tireoide (tanto hiper quanto hipotireoidismo), falência ovariana prematura e até mesmo o excesso de peso podem interferir na fertilidade.

 

Na grande maioria das vezes, essas alterações são passíveis de tratamento, sendo a fertilidade recuperada. Se você planeja engravidar ou já está tentando sem sucesso, vale a pena procurar um endocrinologista de confiança para uma avaliação metabólica e hormonal.

 

Dra. Lorena Lima Amato

*Lorena Lima Amato é endocrinologista pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP)

 

 

LEIA TAMBÉM:  O que observar antes de iniciar o tratamento em uma clínica de fertilidade?