Pular para o conteúdo

Mitos sobre o adoçante

adocante_e

Será que o consumo de adoçantes pode causar diabetes? Esse é um tema que vem ganhando destaque na mídia nos últimos tempos e que tem gerado muitas dúvidas e preocupações. Afinal, será que os adoçantes realmente representam uma ameaça para a nossa saúde? Neste artigo, vamos discutir os resultados de estudos recentes sobre o assunto e desvendar os mitos e verdades sobre o consumo de adoçantes.

Sumário

No vídeo, a Dra. Lorena Amato, endocrinologista, fala sobre os adoçantes e seus benefícios e desvantagens. Ela explica que os adoçantes são uma alternativa para quem quer manter o sabor doce dos alimentos sem as calorias do açúcar e sem afetar a glicemia, sendo uma opção vantajosa para pacientes diabéticos e pessoas que desejam controlar o peso. No entanto, o uso excessivo de adoçantes pode alterar a flora intestinal e não proporcionar o prazer associado ao consumo de açúcar, o que pode levar a uma maior vontade de comer doces. Além disso, a Dra. Lorena destaca a importância de reeducar o paladar para apreciar os diversos sabores e não depender exclusivamente do sabor doce proporcionado pelos adoçantes.

Olá, o vídeo de hoje é pra falar sobre os adoçantes. Eles são mocinhos ou vilões aí pra sua saúde? Segue comigo até o final desse vídeo pra descobrir. Eu sou a doutora Lorena Amato, endocrinologista e antes de começar eu gostaria de te convidar pra se inscrever no canal, ativar notificações pra continuar recebendo os vídeos que são colocados no canal. Compartilha essas informações com alguém se achar interessante. Curta, isso vai nos ajudar a tornar esse vídeo mais visível, mais divulgado pra mais pessoas e claro, ter um retorno pro trabalho que a gente tem fazendo em divulgar essas informações sobre saúde e bem-estar. Os pacientes frequentemente me perguntam sobre os adoçantes, né? Usar ou não usar? É melhor ou pior? Vai fazer mal? Vai dar câncer, né? Até isso já se falou. Então, vamos esclarecer esses pontos sobre os adoçantes. Nada é absoluto nessa vida, né? Tudo é um equilíbrio. Tudo tem um lado bom, um lado ruim. E aqui também. O que seria o lado bom dos adoçantes? Os adoçantes são uma forma de você manter o sabor adocicado, né? Que gera tanto prazer pra algumas pessoas, dos alimentos sem ter as calorias daquele doce, né? Pra você manter esse mesmo doce com açúcar, você teria bem mais calorias e também sem ter os picos de glicose no sangue que são tão prejudiciais pra pacientes diabéticos principalmente. Então pacientes diabéticos comendo alimentos adoçados com adoçantes, eles conseguem controlar melhor a glicose no sangue, mantendo esse sabor doce, né? Com todos os vieses aí do adoçante que nunca é igual mesmo ao açúcar, mas você consegue ter ali uma semelhança sem fazer pico de insulina, sem alterar a glicose no sangue e sem ganhar peso pra quem tá querendo algo menos calórico pra controlar o peso. Então esse é um grande benefício dos adoçantes, ajuda muitas pessoas, né? Tem adoçantes que podem ser usados na culinária, em bolos, que tornam o bolo doce sem cheiro de açúcar e também pra adoçar sucos, sobremesas, café, enfim, você consegue ter esse sabor doce sem ter os prejuízos do açúcar. Então, isso é um grande benefício aí dos adoçantes, existem uns naturais, né? Que são eventualmente menos prejudiciais pra saúde e o sabor, a palatatividade de cada adoçante aí vai de cada um, quem gosta mais de um ou de outro. Quais seriam os aspectos negativos? O uso do adoçante pode estar associado a uma alteração da flora intestinal, né? Por ser uma substância artificial, existem os naturais? Sim, mas há muitos difundidos são os artificiais. Existe uma alteração da sua flora intestinal devido esse abuso dos adoçantes, né? O uso excessivo, não é um sachezinho que você vai usar de vez em quando que vai alterar. Mas se você usar excessivamente, você pode ter essa talteração da flora intestinal que é tão prejudicial pra saúde como um todo, até relacionado ao peso. Há também algumas teorias que você consumindo o adoçante, você teria aquele sabor doce sem ter toda a descarga de prazer, produção de dopamina quando você consome o açúcar. Então, isso talvez traria uma maior vontade de você continuar comendo doce. Não saciaria aquela sua vontade de comer doce pra quem tem essa vontade. Isso são hipóteses, não tem nada comprovado em estudos, mas potencialmente isso poderia ser uma verdade. Você come aquele doce adoçado com adoçante, não tem todo aquele prazer que queria e continua querendo comer mais e mais e mais sem ter a saciedade se você comesse o doce ali com açúcar mesmo e acaba consumindo muito mais calorias porque aquele doce não é só adoçante, né? Tem mais coisa ali. E por fim o que eu acho que é o mais prejudicial dos adoçantes é que as pessoas deveriam reeducar o paladar, isso é um processo difícil que precisa de acompanhamento nutricional e médio pra apreciar todos os tipos de sabores. A gente encontra naturalmente sabores doces, né? Nos alimentos. A gente encontra sabores azedos, amargos e você colocar, querer usar o adoçante, você tá simplesmente transformando tudo em sabor doce, né? Se você não aprecia o sabor amargo, talvez você não aprecie tanto o café, né? Porque o café é amargo. Se você não o sabor azedo, quer botar adoçante até no suco de limão ou de maracujá. Ficar doce, né? Talvez você não aprecia o azedo porque cê tá querendo transformar aquele sabor em outro, então apreciar os diversos sabores, aprender a apreciar outros sabores que não o doce, é a grande vantagem de não usar o adoçante. Você não teria um grande problema de usar de vez em quando e ainda tem esses benefícios relacionados à glicemia, ao peso. Mas por que não provar os alimentos como eles são? Sentir o sabor deles e quem sabe gostar ou não. Ninguém é obrigado a gostar de tudo, mas reeducar o paladar pode sim ser educado. Você pode sim aprender, todo mundo sabe aí uma referência de algum sabor amargo que num primeiro contato não gostou, mas depois com o aprendizado, com o contato acabou aprendendo a saborear aquele amargo. Eu sempre uso o exemplo da cerveja, né? Pros pacientes, que num primeiro contato todo mundo acha amargo, mas depois com contato frequente, acaba achando saboroso e isso é modificar o paladar. Você consegue fazer isso com outros alimentos também, com café, com sabor azedo. Então, eu acredito que por fim das contas, esse é a principal desvantagem do adoçante. Você não saber os diversos sabores e não adequar o seu paladar pra apreciar os diversos sabores. Então, se você gostou desse vídeo te trouxe informações importantes, compartilhe com alguém, curta e deixe aqui no comentário, se ficou com algum dúvida.

Adoçante causa diabetes?

Recentemente, a mídia tem abordado a respeito de trabalhos sobre o consumo de adoçantes e a associação com o aumento da incidência de diabetes.

Nesses estudos, deram as ratos doses de adoçantes que atingiram o máximo autorizado pelo FDA, e observou-se que a flora intestinal desses animais sofreu alterações que poderiam levar ao aparecimento do Diabetes Mellitus tipo 2 (DM2).

O adoçante não é absorvido pelo corpo, ficando somente dentro da cavidade intestinal. Com isso, os adoçantes ficam mais tempo em contato com bactérias existente no intestino, e isso muda o seu perfil para uma bactéria que está mais relacionada ao aparecimento da resistência insulínica, que é a primeira alteração que surge no DM2.

Sabe-se hoje que a flora intestinal tem papel fundamental no surgimento da resistência à insulina e consequente DM2. No momento, ainda são necessários mais estudos para sabermos que tipo de flora intestinal altera a incidência de DM2 e, principalmente, qual seria o papel do adoçante nisso.

Antes de condenarmos o uso dos adoçantes precisamos lembrar:

  • Esses estudos foram realizados em animais de laboratório (ratos) que usaram doses de adoçante proporcionalmente muito maiores do que as que usamos diariamente.
  • O uso do adoçante facilita a vida dos pacientes diabéticos e obesos que, ao substituir o açúcar por adoçante diminuem a quantidade de glucose e calorias ingeridas, facilitando o controle da doença.
  • Os pacientes, de qualquer maneira, devem evitar excessos no consumo de adoçantes, lembrando que eles também estão presentes em refrigentes, alimentos ditos diet e adoçados artificialmente. O excess sim pode ser prejudicial à saúde.

Adoçantes causam câncer?

Estudos antigos em ratos mostraram que o ciclamato (adoçante presente em alguns alimentos como iogurte Molico, Guaraná Zero, Coca Cola Zero) poderia causar câncer de bexiga em ratos que usaram por longo periodo o ciclamato e em altas doses. Desde então o ciclamato foi bloqueado nos EUA mas mesmo o FDA posteriormente reconheceu a segurança desse produto. Em humanos os estudos observacionais com longo tempo de seguimento não estabeleceram relação de adoçante com câncer.

Adoçante pode causar demência?

Outro mito sobre os adoçantes é sua relação com Síndromes demenciais. No entanto, não há relação do uso de adoçantes com demência.

Adoçante engorda?

O paradoxo do adoçante

Alguns estudos sugeriram que o uso do aspartame (adoçante presente em alguns alimentos como adoçante Zero Cal, adoçante Finn, Coca Cola Light) aumentaria a fome nas refeições posteriores.

Ratos de laboratório que consumiram adoçantes engordavam mais e tinham mais massa gorda. A hipótese é que o uso crônico de adoçantes poderia alterar o mecanismo de compensação energética, ou seja, como o animal não obteve quantidade necessária de energia com aquele alimento adoçado artificilmente, na próxima refeição ele tenderiam a compensar esse déficit energético com o aumento a ingesta calórica.

Além disso, os ratos que recebiam glicose tinham termogênese alimentar maior (gastavam mais energia digerindo os alimentos). Os poucos estudos em humanos mostraram resultados conflitantes. Extrapolar esses achados encontrados em animais, que agem de forma institiva, para seres humanos seria um erro pois nós humanos, como agimos de forma consciente, não faríamos essa compensasão energética.

Como conclusão, dentre os diversos adoçantes disponíveis no mercado, o uso rotineiro dificilmente ultrapassa os limites de segurança estabelecidos.

Exemplos:

Coca Cola Zero contém:

  • Aspartame: 12 mg/100 mL
  • Acessulfame-K: 15 mg/100 mL
  • Ciclamato: 24 mg/100 mL

Limites máximos para ingestão diária:

  • Pessoa de 70 Kg: 3,2 Litros/dia (9 latas)
  • Pessoa de 30 Kg:  1,3 Litros/dia (4 latas)

Fanta Laranja Light

  • Ciclamato: 64 mg/100 mL
  • Sacarina: 8 mg/100 mL

Limites máximos para ingestão diária:

  • Pessoa de 70 Kg: 1,2 Litros/dia (3,5 latas)
  • Pessoa de 30 Kg:  0,5 Litro/dia (1,5 lata)

Coca Cola Light PLUSS

  • Aspartame: 24 mg/100 mL
  • Acessulfame-K: 13 mg/100 mL

Limites máximos para ingestão diária:

  • Pessoa de 70 Kg: 8,0 Litros/dia (26 latas)
  • Pessoa de 30 Kg:  3,4 Litros/dia (11 lata)

Guaraná Diet

  • Ciclamato: 69,7 mg/100 mL
  • Sacarina: 16 mg/100 mL

Limites máximos para ingestão diária:

  • Pessoa de 70 Kg: 1,1 Litros/dia (3 latas)
  • Pessoa de 30 Kg:  0,5 Litro/dia (1,5 lata)

Adoçantes e gestação

Gestante devem evitar os alimentos que contenham os seguintes adoçantes (Risco C):

  • Aspartame, para mulheres com fenilcetonúria
  • Ciclamato
  • Sacarina

Pelo risco potencial de causar danos ao bebê.

Autor: Dra Lorena

Neste vídeo, o Dr. Alexandre Amato, cirurgião vascular, discute a influência dos adoçantes na circulação e na saúde vascular. Ele apresenta vários tipos de adoçantes, suas propriedades e efeitos na saúde. O Dr. Amato aponta que o açúcar é um problema para a saúde e que os adoçantes podem ajudar a reduzir o consumo de açúcar, mas que é preciso ter cuidado com o uso de adoçantes e saber escolher o tipo certo. Ele destaca que a maioria dos estudos sobre adoçantes foi feita a curto prazo, e que é preciso mais estudos para avaliar os efeitos a longo prazo. O Dr. Amato sugere o uso de stévia como o adoçante mais natural e benéfico para a saúde. Ele alerta para os efeitos negativos dos alimentos industrializados e como a indústria alimentícia tenta induzir o vício em alimentos. Ele encoraja as pessoas a desenvolverem seu paladar para outros sabores e a ensinar as crianças a gostarem de outros sabores além do doce.

Olá, sou doutor Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato e hoje eu vou falar sobre a influência dos adoçantes em geral na circulação. Será que eles fazem bem? Será que eles fazem mal? Eu já tenho um vídeo inteiro aqui falando do açúcar e uma uma realidade é que o melhor é tirar o açúcar né? Sair de um de um suco acrescentado açúcar né? Passar pra água, mas nem todo mundo consegue fazer isso. Então às vezes o adoçante é um passo pra ajudar nisso aí. A questão é que a gente tem que entender tudo que tá em volta desse desse problema. O adoçante a curto prazo pra adoçar e ajudar a melhorar o paladar com o passar do tempo e atingir uma alimentação sem o adoçante óbvio que seria melhor, né? Mas você tem que ter isso como meta. Nem todo mundo consegue trocar o suco pela água assim de cara, né? Precisa de alguma coisa no meio. Então, alguns estudos mostraram uma relação do adoçante com derrame em mulheres pós-menopausa. Então, só isso já é um alerta pra gente ficar atento porque derrame é uma doença cardiovascular é um é uma obstrução da carótida por aterosclerose que é um dos piores problemas vasculares que existe, é a primeira causa de morte no mundo. Agora é muito difícil fazer um trabalho científico pra avaliar isso, porque normalmente quem tá consumindo um adoçante é quem já tem outro fator de risco pra doença. Então, por exemplo, já tá obeso, então começa a usar o adoçante. Então, será que não foi a obesidade que levou a aterosclerose? Ou tem diabetes e tá usando adoçante, mesma coisa ou tem pressão alta e tá usando adoçante? Toda essa associação de fatores de risco que pode tá levando esse aumento do risco cardiovascular. A gente normalmente não pega alguém que é cem por cento saudável, que não tem nada e tá tomando adoçante. Então, como que a gente separa isso? As pesquisas são difíceis de serem realizadas, né? A gente tem que tomar alguma decisão no que a gente tem. No dia a dia a gente tem que entender que uma coisa é um adoçante que você tá colocando, por exemplo, no cafezinho. Outra coisa é tomar uma um refrigerante diet, um refrigerante com adoçante. Esse refrigerante não vai ter só adoçante ou a falta do açúcar e só isso que tá influenciando na sua saúde, não. O refrigerante tem vários outros produtos químicos que vão influenciar positiva ou negativamente na sua saúde. Então, imagina que um refrigerante pode ter uma alta quantidade de sódio, que também é péssima pra sua saúde ou pode ter até mesmo vários ácidos, pega aquele refrigerante que você gosta, faz uma experiência, primeiro lê atrás tudo que tem, vê quantas substâncias você reconhece ali como alimentos e não como produto químico. Uma outra experiência seria, coloca um refrigerante que você gosta numa panela e deixa com o fogo ligado em baixa intensidade ver o que vai sobrar ali, que vai evaporar a água, vamos ver o que sobra no resto da panela. Você usa adoçante ou você toma refrigerante adocicado? Por que que você chegou aqui nesse vídeo? Escreve ali no comentário que eu quero saber. Tem muito debate sobre os adoçantes com a possibilidade de causar câncer e até mesmo outras doenças, mas eu vou focar o vídeo de hoje no aspecto do adoçante e da circulação e da saúde vascular. Afinal, sou cirurgião vascular. Aparentemente os adoçantes tem um efeito meio que neutro na glicemia, na medida da glicose e do açúcar no sangue, mas a grande maioria dos estudos foi feito a curto prazo, né? Não a longo prazo. Qual que é o efeito do uso diário de adoçante depois de dez, vinte anos? O que isso vai acabar acarretando pra parede do vaso? Então, eu vou dar a dica de uso dos adoçantes, vou falar qual que é o melhor, qual que é o melhor, se você quiser, qual que você vai buscar, vou dar todas as dicas aí concentradas no final do vídeo, mas eu vou explicar todos os efeitos aqui antes. Então, quando a gente fala de adoçante, a gente tem uma ampla gama de substâncias químicas que são utilizadas pra adoçar os alimentos. O aspartame, por exemplo, é muito conhecido, ele foi discrito em mil oitocentos e sessenta e cinco por aí, ele tem uma propriedade aí de adocicar em torno de duzentos, né? A medida de doçura que existe, é de duzentos e o aspartame, ele é instável no calor, então não dá pra alguma coisa ou fazer algum bolo assado com aspartame, que ele acaba perdendo as suas propriedades e tendo outros efeitos deletérios. Por exemplo, quem tem fenilcetonúria, tem que passar longe de um aspartame. Tem um outro adoçante, que é o neotame, que é um derivado também do aspartame, esse aí tem um nível de doçura de treze mil, é absurdo, é super alto, né? A sucralose tem um nível de doçura de seiscentos, acaba levando a disbiose, não tem nada de natural, é uma substância assim que não vai fazer bem pra sua microbiota intestinal e ela tá muito presente nos alimentos industrializados. O ciclamato, a sacarina tem um nível aí de doçura em torno de trezentos, foi descrita se eu não me engano, mil oitocentos e setenta e oito, alguma coisa assim bem antiga, ela é muito barata, mas ela é uma das piores pra nossa saúde. Ela chega a aumentar até mesmo a resistência a insulina. O xilitol e o eritritol são açúcares naturais, né? O xilitol a gente consegue metabolizar um dele, então ele tem um pouquinho de de caloria, acaba consumindo muito, vai ter uma diarreia osmótica, né? Acaba atraindo água pra dentro do intestino e acaba tendo um efeito laxativo. Esse efeito laxativo também tem no eritritol, embora o eritritol a gente não consegue metabolizar quase nada. Então, a quantidade de caloria que existe é próxima de zero. Agora, o adoçante mais natural, o adoçante que pode ser mais benéfico pra gente é o stévia. O stévia é uma erva, uma plantinha que a gente não consegue metabolizar, muito embora a nossa microbiota dependendo de que bactéria que tá vivendo lá no seu intestino, a nossa microbiota pode ser capaz de acabar metabolizando o stévia, mas considerando que não teve esse metabolismo, ele é zero carboidrato. Agora o stévia tem alguns efeitos na saúde que são benéficos, então por isso que a gente acaba sugerindo, ele pode até mesmo diminuir a pressão arterial, tem um efeito anti-inflamatório, tem um efeito antiglicêmico, sugere-se até mesmo um efeito anticâncer, obviamente tudo isso precisa de muito estudo ainda e teria até mesmo efeito imunomodulador, melhorando aí ou pelo menos colocando a nossa resposta imune num nível adequado. O grande problema com stévia é que no mercado a gente encontra, normalmente ele é associado a outro adoçante. Normalmente um aspartame, uma sucralose que tem efeito deletério, Então, não adianta nada você pestévia e ter outro adoçante junto. E um problema prático do stevia é o sabor amargo que ele tem no final. Então, principalmente se você exagera na quantidade ou lá no finalzinho do gosto tem um toque metálico, um toque meio meio amargo e nem todo mundo gosta disso. Agora, o stevia é um arbusto originário lá da fronteira do Brasil com Paraguai, é uma coisa bem da América Sul mesmo, então a gente pode valorizar os nossos produtos. Então, alguns estudos em ratinhos mostraram que a sucralose e o acessulfame estão relacionados com endurecimento da parede arterial, então eles pegaram os ratinhos e abriram depois de alimentar bastante com adoçante e viram que aqueles ratinhos que usavam esses adoçantes tinham a parede da aorta mais endurecida e o endurecimento da aorta é indicativo de esse mesmo estudo sugeriu a um aumento do tecido adiposo nesses ratinhos. Obviamente, ainda precisa de mais estudos, precisa comparar isso com os seres humanos, o que não é nada fácil, mas é um indicativo. Então, vamos falar sobre as dicas de uso como que a gente faz pra usar adoçante de uma forma saudável, né? Então, em primeiro lugar, a gente tem que entender o paladar do brasileiro, né? Quando eu era criança, eu morei seis meses na Alemanha e eu lembro que lá o açúcar vinha da beterraba, eu não sei se ainda é assim e era um açúcar diferente, um açúcar que a gente podia colocar várias colheres e não adocicava igual o nosso açúcar aqui derivado do da cana de açúcar. Então o Brasil ele é ávido pelo gosto açucarado por causa da nossa história com a cana de açúcar. A primeira grande dica é cuidado com o esguicho. Várias pessoas, né? Que conta “ah não, eu tomo adoçante”, quanto? Quantas gotinhas? “Duas esguichadas”, esguichada é um veneno, então imagina você tá tomando um produto químico ali, tem que tomar muito cuidado com isso. O ideal é você ir mudando o seu paladar desenvolvendo o paladar pra apreciar outros aspectos da comida, porque o doce, mesmo que seja de um adoçante, ele vai pedir mais, seu corpo vai querer mais, sempre tem um algo a mais, então o ideal é você aprender a saborear, aprender a a gostar dos sabores e assim você não teria aquele efeito recompensa, né? Aí eu já não tô falando um efeito direto no sangue, mas se você come alguma coisa que tenha o efeito doce, o seu cérebro tem o feedback positivo lá “opa! Gostei disso, quero mais” e incentiva você a comer mais, então o ideal é a gente ir tirando o adoçante. Lembrando que diet não é light, né? Qualquer alimento que não tenha açúcar e tenha adoçante, não quer dizer que não tenha carboidrato, ela tá cheia de outros carboidratos lá ser extremamente calórico e ter adoçante. Então, não quer dizer que peguei um alimento diet e posso comer o quanto quiser. De jeito nenhum. Lembrar que a indústria alimentícia não tá a seu favor nesse momento. Então, a ideia é sempre te viciar a pedir mais, que é assim que eles vão ganhar dinheiro e tem algumas coisas na alimentação que induzem esse vício, gordura, sódio, mas o açúcar, mas não só o açúcar, o gosto adocicado, então às vezes ao colocar um alimento com adoçante pra induzir esse vício tem que aumentar um pouquinho a gordura, aumentar um pouquinho o sódio e aí acaba desencadeando da mesma forma toda essa recompensa, não seja inocente, cuidado com a com a indústria alimentícia. E assim, falando pro futuro da próxima geração, eu já vi adultos dando refrigerante, né? Pra criança. Assim, eu não posso ensinar as outras pessoas como que elas devem cuidar dos próprios filhos, né? Mas eu posso orientar aqui no canal eu posso falar, não vamos ensinar as crianças desde cedo a gostar do doce. O ideal seria aprenderem o doce só mais tarde na vida, porque assim elas desenvolvem o paladar pra outros sabores e tem a fruta do milagre, a fruta do milagre é uma plantinha muito interessante, essa entra aí como uma curiosidade, é uma frutinha que se você come e depois come qualquer outra coisa, ela vai alterar o sabor. Então, por exemplo, se você come uma frutinha do milagre e depois chupa um limão, esse limão tem sabor de mel, é impressionante. É uma curiosidade aí, tem essa frutinha você pode, é difícil encontrar, mas existe aí acessível. Eu plantei na minha casa aqui, mas é uma dificuldade brotar o frutinho, mas quando brota é uma festa com as crianças. Então, essas são as minhas dicas pra usar o adoçante de forma saudável. Gostou desse vídeo? Inscreva-se no nosso canal, compartilhe com seus amigos e fica aí que eu vou colocar o próximo melhor vídeo pra você assistir.

Qual sua nota para este artigo?

0 / 5

Your page rank:

>
error: Alerta: Gostou do nosso conteúdo? Assine nosso canal!!