Lipedema: o que é?

Lipedema

Você já ouviu falar em lipedema? A doença, considerada crônica por especialistas, atinge majoritariamente as mulheres e o surgimento tem a ver com fator genético e com hormônios. Algumas pessoas confundem lipedema com obesidade e com linfedema, mas são doenças diferentes. Veja a seguir o que de fato é o lipedema, características dessa doença e o que fazer para evitar e tratar esse problema.

O que é lipedema?

Lipedema é uma doença que atinge especialmente as mulheres. Caracteriza-se pelo acúmulo de gordura em locais específicos do corpo, como quadris, nádegas, pernas e tornozelos, causando uma aparência disforme e desproporcional ao restante do corpo.

A doença é considerada crônica, uma vez que evolui de maneira progressiva e não tem cura. Além dos depósitos de gordura, outros sintomas que podem surgir são o inchaço na pele, dores, sensibilidade local, sensação de peso e desconforto na região.

Geralmente, o médico pode identificar a presença do lipedema apenas através do exame clínico e do relato de mulheres que sofrem com a doença. A partir daí, o médico sugere o melhor tratamento de acordo com o caso avaliado.

 

O que causa o lipedema?

Apesar de ser caracterizado como excesso de tecido adiposo, popularmente chamado de gordura, o lipedema não tem relação com o excesso de peso. Diversos médicos especialistas têm tentado descobrir o motivo do surgimento do lipedema. Inclusive nós!

Existem duas causas prováveis: a influência dos hormônios femininos e o fator genético. Por esse motivo é que as mulheres são as pessoas que mais sofrem com o lipedema, principalmente durante o período em que os hormônios estão desequilibrados como o período de gestação, a menopausa e na fase adulta, durante o uso de anticoncepcionais.

Em homens, esse problema pode até surgir, mas apenas quando eles estão fazendo algum tratamento relacionado à ingestão de hormônios, o que reforça mais ainda a tese de que fatores hormonais são causadores do lipedema.

 

Diferença entre lipedema e linfedema

Apesar dos nomes semelhantes, lipedema e linfedema são doenças diferentes. Enquanto o lipedema se caracteriza pelo acúmulo de gordura em uma específica do corpo, o linfedema tem como sintoma principal o acúmulo de linfa na região, provocado pela obstrução dos vasos linfáticos.

Linfa é o nome de um líquido, que se origina no sangue e é responsável pela condução de glóbulos brancos pelo organismo. Os glóbulos brancos, por sua vez, auxiliam na defesa do nosso organismo contra agentes nocivos e retorno à circulação das excretas das células do nosso corpo.

Essas duas doenças podem se relacionar. Ou seja, uma pessoa que sofre com lipedema também pode apresentar linfedema. Isso acontece porque as células de gordura do lipedema impedem a circulação natural que acontece dentro dos canais linfáticos, causando o acúmulo de líquido na região. Contudo, são problemas diferentes.

 

Lipedema e obesidade não são a mesma coisa

Há uma facilidade muito grande em confundir lipedema e obesidade, provavelmente porque os dois problemas apresentam acúmulo de gordura no corpo. Porém, são doenças diferentes em alguns aspectos.

Em primeiro lugar, a obesidade não atinge especificamente as mulheres. Homens também podem sofrer com o excesso de peso em diferentes fases da vida. Geralmente, no público masculino a gordura se acumula na região do abdômen, mas também pode afetar as mamas.

Outra diferença é a localização da gordura em excesso. Pessoas obesas quase sempre têm gordura em toda a extensão do corpo, apesar de também ter um acúmulo maior em regiões como seios, bumbum, abdômen, pernas e quadris, principalmente no caso das mulheres.

A gordura da obesidade pode ser reduzida com mudanças na alimentação e prática constante de atividade física. No caso do lipedema, o aspecto da gordura é reduzido, mas o problema não é completamente solucionado.

Por fim, o aspecto visual desse depósito de gordura também é diferente. Obesos apresentam nódulos e ondulações no corpo, de uma maneira mais uniforme. Enquanto isso, o lipedema surge como se fosse uma bolsa de gordura, deixando aquela região disforme, sobressalente e com aspecto anormal, diferente do resto do corpo.

 

Perder peso é eficaz contra o lipedema?

A resposta é não, o motivo é simples. Mesmo que o lipedema tenha como sintoma o acúmulo de gordura em determinadas partes do corpo, esse depósito de tecido adiposo não acontece por causa da ingestão exagerada de alimentos ou pela falta de atividade física.

A concentração de gordura é um fator patológico, provocado por uma doença. Logo, não adianta fazer dieta ou passar a se exercitar com frequência na intenção de eliminar o lipedema.

É claro que perder peso sempre é uma boa alternativa porque previne várias doenças, além de deixar o corpo mais leve e bem disposto. No caso do lipedema, esses hábitos podem minimizar e até ajudar a prevenir o problema, mas não o elimina.

 

Lipedema tem cura?

Não, o lipedema é uma doença crônica e não tem cura. Contudo, tem tratamento que, se realizado corretamente, reduz bastante o aspecto estético do problema e melhora o desconforto que a mulher sente não só na região afetada, como também na queda da autoestima.

Nesses casos, são indicadas as massagens terapêuticas, as roupas de compressão, dieta e exercícios físicos para reduzir a gordura no corpo todo, além de apoio psicológico para lidar também com a saúde mental da paciente.

Depressão e rejeição ao próprio corpo é muito comum em mulheres que têm lipedema, principalmente porque a estética da paciente é afetada. Por isso, é importante pensar também em tratamento psicológico para que a mulher aprenda a lidar melhor com a situação.

Outro tratamento eficaz para tratar o lipedema é o procedimento cirúrgico que consiste em várias seções de aspiração de gordura do local afetado. O ideal é que cada paciente seja avaliado por um especialista para que ele verifique a necessidade de um ou outro tratamento. O objetivo sempre deve ser o bem-estar do indivíduo e uma vida com mais saúde e qualidade.

Hoje, vimos que o lipedema é uma doença crônica, que atinge especialmente as mulheres e tem como causas prováveis os hormônios e a genética. Se alguém da sua família tem lipedema, é possível que você também passe a apresentar essa doença. O principal sintoma do lipedema é o acúmulo de gordura em regiões específicas do corpo, provocando um aspecto disforme e assimétrico. Apesar de não ter cura, é possível tratar o lipedema com as orientações corretas de um médico especialista.

Prof. Dr. Alexandre Amato