Pular para o conteúdo
Início » Medicina » Especialidade: Vascular » Não tenha derrame ou AVC

Não tenha derrame ou AVC

Derrame e AVC

O derrame é um termo popular usado como sinônimo da sigla AVC (Acidente Vascular Cerebral). O AVC é uma condição muito comum e acontece quando há irrigação sanguínea insuficiente na região do cérebro. Certamente, você já deve ter ouvido falar dele. O que muita gente não sabe é como ocorre o AVC e, principalmente, o que fazer para não sofrer um derrame mesmo apresentando placas de gordura nas artérias, principal causa do problema. Vamos falar mais sobre isso a partir de agora.

https://www.youtube.com/watch?v=nqXF2MOib3o

O que é o AVC

O AVC, ou derrame cerebral, é a falta de irrigação de uma parte do cérebro, também chamada de isquemia. Ou seja, o sangue não segue seu fluxo habitual e não consegue chegar até o cérebro, afetando as suas funções. 

O AVC é uma das maiores causas de morte em todo o mundo e é causado pelo entupimento das artérias. Essa obstrução também é chamada de estenose de carótida, condição da qual falaremos mais a seguir.

O que é estenose de carótida

Todos nós temos duas artérias carótidas, uma de cada lado do pescoço, e duas artérias vertebrais, que ficam na região de trás da cabeça. 

A carótida é uma artéria que passa pelo pescoço, sendo a responsável principal por levar sangue e irrigar o nosso cérebro. 

A estenose de carótida é uma doença que acontece quando a artéria carótida sofre um estreitamento. Esse estreitamento pode ser congênito ou provocado por obstruções.

E qual a relação da estenose de carótida com o AVC?

Quando existe uma estenose de carótida, ou seja, um estreitamento da artéria, temos a diminuição do fluxo sanguíneo no cérebro. Isso quer dizer que o cérebro não recebe o sangue em sua totalidade, como é necessário. Por causa disso, ele deixa de funcionar.

LEIA TAMBÉM:  Musculação Causa Varizes?
LEIA TAMBÉM:  Angioma Cavernoso do Sistema Nervoso Central (Angiomas, Cavernoma)

Essa irrigação inadequada pode ser provocada, como vimos, pela estenose e também pela placa aterosclerótica, característica principal de outra doença muito grave: a aterosclerose.

Além disso, o cérebro pode ter a sua irrigação afetada por pequenas embolizações. São partículas de sangue, ou coágulos, que viajam pelas artérias, chegam ao cérebro e impedem que o sangue chegue até lá.

A placa aterosclerótica 

A placa aterosclerótica é a principal causa de obstrução da artéria carótida. A oclusão, ou entupimento, acontece de forma lenta e gradual até o ponto em que a artéria pode ficar obstruída por completo.

A aterosclerose é uma doença vascular crônica, quase sempre assintomática, que se instala no indivíduo e vai evoluindo aos poucos, acompanhando-o até a idade adulta. As causas da doença têm relação direta com os fatores de risco, tais como:

Tenho placa aterosclerótica. Quer dizer que vou ter um AVC?

Infelizmente, existe uma associação muito equivocada entre a existência da placa aterosclerótica com o derrame, como se a presença de um fosse determinante para o acontecimento do outro. Na verdade, não é bem assim que acontece.

A evolução da Medicina e dos métodos de prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças nos permite ter uma visão mais positiva, segura e correta a respeito deste assunto.

O fato é que, ao identificar uma placa de gordura obstruindo a artéria, em um paciente assintomático, é possível prevenir e evitar a evolução dessa placa para um derrame ou AVC a partir do acompanhamento com um médico vascular e com a execução correta do tratamento.

Então, não deve ser repassada a informação errada de que quem tem uma placa de gordura na carótida, efetivamente terá um derrame em breve. Desde que o paciente seja assintomático, é possível reverter esse problema.

LEIA TAMBÉM:  Hidrocefalia
LEIA TAMBÉM:  Derrame? Não! Artigo em revista

Por paciente assintomático, entendemos ser aquele paciente que não apresentou nenhum sintoma da doença e também aquele que não sofreu AVC ou derrame cerebral. Especificamente, nesses casos, as chances de tratar a doença e estabilizar a placa são muito grandes. 

Com isso, oferecemos mais longevidade ao paciente, além de darmos a ele melhores condições de saúde, inclusive no aspecto mental, uma vez que o AVC é uma condição que gera muito receio.

Tratamento para a placa aterosclerótica

Bem, falamos da causa do AVC, do diagnóstico da aterosclerose e agora vamos falar do tratamento para a placa aterosclerótica. Como dissemos, é possível tratar e remover essa placa. Mas, como fazer isso? 

Existem dois tipos de tratamento, que devem ser feitos em conjunto, orientados pelo médico vascular, especialista no tema. São eles:

Tratamento clínico

Durante o tratamento clínico, o cirurgião vascular vai prescrever medicamentos para tratar e controlar os fatores de risco, como a diabetes, a hipertensão e o colesterol, por exemplo.

Outra medida igualmente importante é modificar os hábitos ruins. O principal deles é deixar de fumar. O cigarro agride profundamente a parede das artérias, deixando-as mais frágeis e suscetíveis a obstruções.

Além disso, é necessário investir em uma alimentação saudável, pobre em gordura e realizar atividade física com frequência, deixando o sedentarismo de lado.

Tratamento cirúrgico

Dependendo do grau da estenose de carótida, pode ser necessário realizar a cirurgia para a remoção da placa. Temos, atualmente, duas opções:

  1. Cirurgia aberta

Na cirurgia aberta, é realizado um pequeno corte na região do pescoço, onde está localizada a artéria carótida. Em seguida, é feita a remoção da placa aterosclerótica, ou seja, a placa de gordura. Com isso, abrimos o caminho para que o sangue possa seguir o seu fluxo tranquilamente.

  1. Cirurgia endovascular

A cirurgia endovascular funciona da seguinte forma: é feito um pequeno corte ou furo na região da virilha do paciente. Em seguida, é introduzido um cateter para a aplicação de um stent

LEIA TAMBÉM:  Angioma Cavernoso do Sistema Nervoso Central (Angiomas, Cavernoma)
LEIA TAMBÉM:  O Salto Alto e a Circulação

Esse stent é uma espécie de mola bem pequena que vai fazer uma abertura na artéria comprometida. Ampliando as paredes da artéria, o sangue consegue circular melhor e continuar irrigando o cérebro.

A cirurgia endovascular é indicada quando a cirurgia aberta é mais arriscada para o paciente. 

Então, como vimos, o AVC é um acontecimento grave, causado pela obstrução da artéria carótida, responsável pela irrigação cerebral. Essa obstrução é causada, na maioria das vezes, pela placa aterosclerótica. Contudo, um diagnóstico que identifica a presença da placa de gordura na artéria não determina o surgimento do AVC. Em pacientes assintomáticos, é possível reverter o problema com tratamento clínico e cirúrgico.

Prof. Dr. Alexandre Amato

>
× Como posso te ajudar? Available from 08:00 to 20:30