Pular para o conteúdo

Colágeno: Qual o melhor para flacidez?

Colágeno

Se tem uma coisa que deixa qualquer mulher chateada, é se deparar com a flacidez na pele, não concorda? Porém, esse problema pode ser amenizado, ou até mesmo prevenido, se você encontrar o colágeno certo. O colágeno para flacidez se trata de uma família e 27 isoformas de proteínas de fibras.

Essas proteínas podem ser encontradas nos tecidos conjuntivos do corpo. Exemplos de lugares que podemos encontrar: pele, cartilagens, músculos, ossos, tendões, veias e dentes.

O colágeno tipo I, é a isoforma mais comum, sendo este encontrado na pele, ligamentos, tendões e ossos.

Sumário

Por que precisamos de um suplemento de colágeno para flacidez?

Com um tempo, a pele diminui a produção de proteinas de sustentação, e isso acaba resultando em uma pele mais flácida, e, consequentemente, acaba dando uma aparência mais envelhecida.

Além disso, rugas começam a aparecer e se tornarem mais frequentes com o tempo.

Esse tipo de problema pode ir mais além com alguns hábitos comuns em algumas mulheres, como alimentação inadequada, fumo, doenças sistêmicas, alterações hormonais e emagrecimento rápido.

Alguns medicamentos também podem causar a diminuição da produção do colágeno.

Sendo assim, a indústria farmacêutica tem se preocupado em buscar medidas para prevenir a flacidez e outros sinais de envelhecimento.

O Dr. Alexandre Amato, cirurgião vascular do Instituto Amato, fala sobre o colágeno, uma substância importante para o corpo e relacionada com a flacidez da pele e a circulação. O colágeno é a substância mais abundante da matriz extracelular, ou seja, ele determina a fisiologia dos tecidos, incluindo a pele e a parede dos vasos sanguíneos. Ele retém água e mantém a firmeza e a consistência da pele e dos vasos. A perda de colágeno pode levar à flacidez e às rugas, que são causadas pela perda desse colágeno. Existem fatores internos, como a idade, e fatores externos, como a exposição ao sol, à poluição, ao cigarro e ao álcool, que podem depletar o colágeno. O colágeno é produzido por células chamadas fibroblastos, mas a sua produção diminui com o avançar da idade. Existem diferentes tipos de colágeno, como o colágeno tipo 1, mais abundante e encontrado em ossos, pele e dentes, e o colágeno tipo 2, que funciona como uma esponja e é encontrado no joelho. 

Olá, sou o Dr. Alexandre Amato, cirurgião vascular do  Instituto Amato e hoje eu vou falar sobre o colágeno, essa  substância super importante pro nosso corpo, relacionado com a  flacidez, que eu tenho certeza que te interessa e a  circulação, que que isso tem a ver, né? Vascular com colágeno  com flacidez, caramba! Aqui que mistura de assuntos, mas na  realidade está tudo é correlacionado. O colágeno é a  substância mais abundante da matriz extracelular, isso significa que ele  vai determinar a fisiologia dos nossos tecidos, da pele, por  exemplo, quando a gente tá falando de flacidez, mas não só  disso, também da parede dos vasos, que também tem colágeno.  Então, ela vai manter a estrutura, o formato, mas  também a função. O colágeno também, ele retém água, alguns  deles como se fosse uma esponja. Então, podendo liberar  a água, e absorver a água quando necessário. E isso que vai dar  a firmeza e a consistência pra pele e para os vasos. O colágeno é  uma molécula que tem uma estrutura, tipo em hélices, são  três que ficam rodando assim, como se fosse uma trança e  isso gera firmeza e a elasticidade da pele,  obviamente, se começa a diminuir a quantidade desse  colágeno, você vai ter a flacidez. E essa flacidez pode,  por exemplo, causar as rugas, as rugas, então, são derivadas  dessa perda do do colágeno. Agora, quando a gente fala de  colágeno, você deve se perguntar, o que que faz a  gente perder o colágeno? Então, existem os fatores internos e os  fatores externos, fatores que são dependentes da gente e os  que nem tanto assim. Quando a gente fala de fator interno, um  deles é a idade, por exemplo, com o avançar da idade, a gente  vai perdendo esse colágeno. Ele estaciona lá pelos trinta anos  e depois começa a cair. E os fatores externos, tem o sol, a  poluição, o cigarro, o abuso de álcool, tudo isso vai  depletando o nosso colágeno. Enquanto nós estamos produzindo  colágeno, são as nossas células chamadas de fibroblastos, elas têm a  capacidade de criar, gerar, formar esse colágeno e isso  quando a gente fala da pele ocorre na parte mais  profunda da pele, uma região que a gente não consegue  atingir com alguns medicamentos tópicos por exemplo. O colágeno  tipo um é o colágeno mais abundante, aquele que a gente  encontra nos ossos, na pele, no dente, é o colágeno com uma  fibra mais grossa. O colágeno tipo dois é aquele que funciona  como uma esponja, ele tá lá nas no joelho, por exemplo. Então,  ele absorve a água e ele consegue retornar o seu formato  e depois ele consegue absorver a essa água de novo. Então,  essencialmente como se fosse uma esponja. O tipo três é  aquele que tá nos vasos. Então, ele tá nas paredes do vaso, mas  também naquelas células musculares que ficam ao redor  da das artérias. E o colágeno tipo quatro é o colágeno da  lâmina basal, ou seja, é o colágeno que mantém unido,  mantém o nosso corpo todo funcionando, todas as células  uma grudadinha na outra. Então, esses são os tipos de colágeno  mais importantes pra entender o que eu tenho pra dizer hoje.  Quando a gente tá falando de flacidez de pele, a gente tá  falando mais do colágeno um, do colágeno quatro, quando a gente  tá falando dos vasos da circulação, a gente tá falando  do colágeno tipo três. Ultimamente a gente tem visto  que aumentou o interesse sobre os suplementos que podem  melhorar o colágeno na pele, diminuir a flacidez. Vamos falar sobre  isso! Primeiro a gente tem que entender um pouquinho do  dos tipos de flacidez que tem, né? Tem a flacidez de pele que  é uma flacidez bem superficial, aquela que causa  as rugas e tem descrito também a flacidez muscular, que aí  seria a perda da musculatura, sarcopenia. Essas  são os dois tipos principais descritos, tem também o que eu  acredito, né? É uma uma flacidez da gordura. Essa  flacidez da gordura quando a gente tá falando do lipedema,  por exemplo, tá mais a desinflamação da gordura do que  necessariamente um dano do colágeno. Isso é muito  importante diferenciar uma coisa da outra, porque às vezes  você tá falando “Ah, tô com uma flacidez de pele.” Na verdade,  no lipedema você desinflama, a gordura fica molinha e não é  uma flacidez de pele que tem ali. Pode até ter uma flacidez  de pele associada, mas tem essa gordura que tá desinflamada,  que isso é algo saudável e esperado. Às vezes, na ânsia de  buscar um para uma flacidez de pele, você tá na verdade  tentando inflamar novamente a gordura. Esse é um assunto bem  legal que se interessar, comenta aqui embaixo que eu  faço um vídeo só só sobre isso, porque afinal o vídeo de hoje é  sobre o colágeno e a flacidez e não sobre os tipos diferentes  de flacidez. Então, a pergunta principal é, como que a gente  pode ter mais colágeno? Como como que a gente pode formar  mais colágeno, criar mais colágeno ou se tem alguma forma  de fortalecer o que a gente tem lá. Como eu já mencionei, tem o  colágeno tópico, mas as células que produzem o colágeno, elas  são mais profundas, é difícil a gente atingir com algo tópico, um  creme, um gel, algo desse tipo. Agora, tem o colágeno oral. O  colágeno inicial, tinha uma molécula muito grande, que a  gente não conseguia absorver de forma adequado. Então, foi  criado o colágeno hidrolisado, tem uma molécula menor que a  gente consegue sim absorver. O colágeno tem, a gente vai  encontrar em vários alimentos desde proteína carne,  gelatina, a questão é o quanto que a gente consegue absorver  desses colágenos e o quanto que ele vai mudar a nossa  produção endógeno de colágeno. É muito pouco! Agora,  o colágeno sintético que a gente ingere, ele é bem seguro.  Então, a gente consegue aumentar essa ingesta através  do colágeno sintetizado. Quando a gente tá falando de  colágeno pra pele, não é o mesmo colágeno que o ortopedista  prescreve para as articulações. Como eu disse, são tipos  diferentes de colágeno. Não adianta tomar um pro joelho e  achar que tá melhorando a pele, não! Mas também tomar esse pro  joelho não vai piorar a questão da pele, e até pode ser  tomado em conjunto. Tanto que quando a gente tá falando de um  colágeno que associa tudo seria, a gente teria que pensar  no colágeno tipo um pra pele, o colágeno tipo três pro pros  vasos. Vou colocar um link aqui embaixo na descrição que  pode te interessar sobre isso. O que os trabalhos mostram é  que a ingesta oral desse colágeno hidrolisado é capaz de  aumentar a elasticidade, a hidratação da pele e também a  densidade do colágeno disposto nessa região e também  a densidade do colágeno da derme. Agora existem vários  procedimentos que a gente pode fazer pra estimular a  produção do colágeno. Não só a ingesta, a gente pode fazer  algum estímulo no local ali, pra tentar fazer o corpo voltar a  produzir. Esses estímulos são vários, então existem desde da  radiofrequência do laser, do ultrassom de bioestimuladores  como o Sculptra, com o Eleva, esses bioestimuladores acabam fazendo  o corpo produzir mais colágeno naquela região. No próprio  tratamento do lipedema que a gente utiliza o vibrofit, a  própria vibração da cânula, ela estimula também a produção do  colágeno. Mas a gente pode mais ainda com o uso de alguns tipos  determinados e comprimentos de onda, determinado de laser,  quando a gente tá falando cirurgicamente, então por  dentro da gordura ou próximo da área de  produção do colágeno, esse laser pode estimular a retomada  dessa produção. Existe também o equipamento BodyTite que a gente tem  aqui, o Dr. Fernando fez um vídeo interessante sobre esse  assunto, o ele vai fazer uma radiofrequência com agulhas que  são colocadas assim extremamente preciso no local,  na profundidade correta e aí tem várias ponteiras, tanto  quanto a cirúrgica que a gente consegue manter uma temperatura  adequada pra estimular a produção do colágeno. Mas um  outro equipamento muito legal que acabou de chegar aqui é um  laser, o laser Zye, ele também é capaz de aumentar essa  temperatura da pele, aí de uma forma externa, a gente não  precisa fazer a cirurgia e isso também estimula a produção do  colágeno. E aí, quando a gente associa um a ingesta via oral  do do colágeno, a gente acaba tendo uma resposta melhor  ainda. Por isso é sempre importante conversar com o seu  médico e entender quais são o as melhores alternativas para o  seu caso. E mais ainda tem que entender ainda qual é o tipo de  flacidez que você tá tendo, porque se você tá tendo uma  flacidez da musculatura, por uma sarcopenia, por uma perda  muscular, de nada adianta tomar colágeno pra melhorar a  flacidez da pele, cada área vai ter um tratamento diferenciado.  Gostou do nosso vídeo? Inscreva-se no nosso canal,  compartilhe com seus amigos, clica no sininho lá embaixo pra  receber as notificações dos próximos melhores vídeos e fica  aqui que eu vou colocar o melhor vídeo pra você assistir agora. 

Benefícios do colágeno para flacidez

O corpo produz seu próprio colágeno para fornecer e sustentar a pele, ossos, cabelos, unhas, músculos e todos os órgãos.

No entanto, como já mencionado antes, com o passar do tempo, a produção começa a diminuir, resultando nos sintomas do envelhecimento.

Atualmente, os suplementos de colágeno hidrolisado podem estimular a produção de colágeno a níveis benéficos.

Embora a maioria das pessoas conheça os benefícios de um suplemento de colágeno para flacidez, muitos desconhecem seu potencial para ajudar sua saúde.

É neste momento que você começa a tomar colágeno que você começa a experimentar mudanças significativas, se perguntando por que você não experimentou antes.

Os benefícios do colágeno como suplemento (proteína de sustentação) para o nosso corpo são tão variados quanto importantes e, em algumas ocasiões, podemos garantir quase sem pestanejar, que são quase essenciais.

Entre as mais importantes e óbvias podemos citar as seguintes:

  • Melhora a aparência da pele, cabelos e unhas;
  • Ajuda a reduzir celulite e estrias;
  • Protege, repara e regenera as articulações;
  • Fortalece gengivas e dentes;
  • Ajuda o sistema digestivo e doenças inflamatórias;
  • Aumente seu metabolismo;
  • Colaborar no processo de desintoxicação;

O colágeno é uma proteína importante presente no corpo humano, produzida naturalmente, mas a partir dos 30 anos de idade começa a ser produzido em menor quantidade. É a proteína mais abundante no corpo, responsável por sustentar as células e manter o bom funcionamento do organismo. É encontrado na pele, ossos e músculos, o que faz com que a pele de jovens seja mais viçosa e elastica. A suplementação de colágeno pode ajudar na melhora da elasticidade da pele, cicatrização de feridas e combate ao envelhecimento precoce. No entanto, é importante verificar a quantidade e tipo de colágeno presente na formulação para garantir sua eficácia. Além disso, a suplementação de colágeno não é indicada para todas as pessoas, como aquelas com doenças renais ou hepáticas, por exemplo.

Olá! Meu nome é Juliana Amato, eu sou ginecologista aqui do  Instituto Amato e hoje eu vou fazer um vídeo sobre um assunto  bem interessante e que a maioria das mulheres têm  dúvida, tomar colágeno é bom mesmo? Bom, vamos lá! O que que  é o colágeno? O colágeno, ela é uma proteína presente no nosso  corpo, e essa proteína ela é produzida naturalmente, porém a  partir dos 30 anos de idade a gente começa a produzir menos  colágeno e a gente sabe que a cada ano, a gente tem um por  cento a menos de produção desse colágeno no nosso organismo. E  pra que que serve o colágeno? O colágeno é a proteína que serve  como sustentação das nossas células, ou seja, ela é o  cimento do tijolinho, é o que gruda cada célula na outra  célula e mantém o nosso organismo funcionando. Ela é a  proteína que a gente tem em maior quantidade, ou seja, tem  25% dessa proteína fazendo parte do nosso  organismo, do bom funcionamento do nosso organismo. A gente  acha o colágeno na pele, nos ossos, nos músculos, por isso  que quando a gente é jovem, a nossa pele ela é mais viçosa. A  gente até brinca, né? É tão bom ser jovem, tem bastante  colágeno e aí a gente vai envelhecendo e a pele vai vai  ficando mais fina, a pele vai perdendo a sustentação, as  rugas aparecem. O colágeno quando a gente ingere, ele é  quebrado em várias partículas pequenininhas e essas  partículas elas são chamadas de aminoácidos e cada aminoácido,  ele vai servir pra cada órgão pra uma determinada função, por  isso que o colágeno, ele é bem importante. O estudo recente  publicado no Journal of Drugs in Dermatology, analisou a influência da suplementação do  colágeno no na sustentação da pele, no funcionamento dos  nossos órgãos, na fragilidade óssea. E o que se viu nesse  estudo é que ele é ótimo na melhora da elasticidade da pele,  e na cicatrização de feridas e também combate o envelhecimento  cutâneo. O problema é que no mercado, a gente vai a farmácia  a gente acha inúmeras marcas de colágeno, inúmeras dosagens e a  gente fica meio perdido no que realmente é e o que não é  eficaz. Até alguns alimentos hoje em dia, eles são  suplementados, eles são enriquecidos com colágeno e aí  isso funciona realmente? Isso não funciona? O que se tem  visto é que pro colágeno, ele realmente ser eficaz e ter uma  alteração benéfica tanto na elasticidade, combate ao  envelhecimento precoce, cicatrização de feridas, é que  ele tem que ter uma quantidade específica em sua formulação.  Que absorvida pelo organismo e que seja eficaz ao que ele se  propõe. A gente vê no mercado que muitas fórmulas elas não  chegam a composição mínima de colágeno e com isso normalmente  o que acontece é o que você tá tomando, você tá eliminando.  Você não está tendo uma absorção benéfica, capaz de  quebrar essa proteína, se dividir em aminoácidos e causar  algum benefício no seu organismo. O ideal é que o médico  prescreva o colágeno ideal pra você. O ideal é que você não  compre qualquer colágeno que você vê na farmácia. Converse  com o seu médico, ele vai analisar o que a sua pele tá  precisando, o que falta no seu organismo e vai te indicar o  melhor colágeno pra você. Se você gostou do nosso vídeo, dê  o seu like inscreva-se no nosso canal e ative o sininho de notificação! 

Quais são os diferentes tipos de colágeno?

Aqui está uma visão geral dos diferentes tipos de colágeno, suas fontes e seus principais benefícios para que você possa determinar qual tipo de colágeno é mais interessante:

Tipo I: Este é o tipo de colágeno mais abundante e quase considerado o mais forte encontrado no corpo humano. Encontra-se na maior parte do corpo, nos tendões, ligamentos, órgãos e pele (derme). O colágeno tipo I também ajuda a construir ossos e é encontrado no trato digestivo. É muito importante para a cicatrização de feridas, para dar à pele a sua qualidade elástica e elástica e para manter os tecidos juntos para que não se rompam (tecido conjuntivo).

Tipo II: O colágeno tipo II ajuda principalmente a construir a cartilagem, que é encontrada no tecido conjuntivo. A saúde das nossas articulações depende da cartilagem de colágeno tipo II. Por isso, é útil para prevenir dores nas articulações relacionadas à idade ou sintomas de artrite.

Tipo III: O colágeno tipo III é formado por fibras reticulares e é um importante componente da matriz extracelular que compõe nossos órgãos e nossa pele. Geralmente é encontrado junto com o Tipo I e ajuda a dar elasticidade e firmeza à pele. Também é encontrado em vasos sanguíneos e tecidos dentro do coração. Por essas razões, a deficiência de colágeno tipo III tem sido associada a um risco aumentado de ruptura dos vasos sanguíneos e até morte precoce, de acordo com os resultados de alguns estudos em animais.

Tipo IV: O colágeno tipo IV tem a importante função de formar uma lâmina basal, que se encontra nas células endoteliais que formam os tecidos que circundam órgãos, músculos e gordura. As lamelas basais são necessárias para várias funções dos nervos e vasos sanguíneos. Eles revestem a maioria de nossos órgãos digestivos e superfícies respiratórias.

Tipo V: Este tipo de colágeno é necessário para fazer a superfície das células, assim como os fios de cabelo e tecidos encontrados na placenta feminina (o órgão que cresce no útero durante a gravidez, fornece oxigênio e substâncias nutrientes para a criança em crescimento e remove os resíduos).

Também podemos citar o colágeno tipo VII e VIII, que se encontra em algumas células endoteliais. Além disso, temos também o tipo IX, que se encontra na retina e na córnea.

Mas qual o melhor para suplementação?

Podemos encontrar suplementos classificados como colágeno tipo I e tipo II. O tipo I é chamado de colágeno hidrolisado, enquanto o tipo II é chamado de não hidrolisado.

A diferença de um suplemento para o outro está em suas estruturas moleculares e indicações.

O hidrolisado é feito de colágeno tipo I, e é obtido através da extração do colágeno do osso e da cartilagem bovina.

Assim, ele passa pelo processo de hidrólise, onde as moléculas de proteína são ‘separadas em pedaços menores’. Assim, o colágeno passa a ser absorvido mais facilmente pelo organismo humano.

Através disso, percebemos que o colágeno para flacidez mais recomendado é o colágeno tipo I, sendo esta a melhor escolha.

Isso se dá pelo fato de que ele ajuda no processo de deixar a pele mais firme, e melhora a estrutura dos fios de cabelos, unhas e dentes.

Além disso, esse suplemento ajuda na perda de peso, mesmo não tendo sido feito especificamente para isso. Dá para entender o porquê deste ser o melhor colágeno para flacidez, não concorda

O colágeno é uma proteína presente na pele que dá firmeza e elasticidade. A partir dos 25 ou 30 anos, há uma degradação natural do colágeno da pele e uma diminuição na produção, o que leva ao envelhecimento da pele e à perda de elasticidade. Alimentos derivados de animais, como a gelatina, foram sugeridos como uma fonte de colágeno, mas esses alimentos têm partículas de colágeno muito grandes que o organismo não consegue absorver. Em resposta a isso, a indústria criou o colágeno hidrolisado em partículas pequenas, ou peptídeos de colágeno, que são mais facilmente absorvidos pelo organismo. No entanto, estudos mostram que o colágeno hidrolisado oral tem um efeito limitado na elasticidade e hidratação da pele, mas não tem um impacto significativo na flacidez da pele com o tempo. Além disso, não há evidências de que o colágeno oral tenha efeitos benéficos sobre a saúde das unhas, cabelos ou articulações. Em suma, o colágeno oral pode ter alguns efeitos limitados na pele, mas não é uma solução milagrosa para o envelhecimento.

A Dra. Luciana Langhi, dermatologista do instituto Amato (www.amato.com.br) vai explicar o que é o Colágeno Oral.

Olá! Eu sou a Dra. Luciana, sou médica dermatologista do Instituto Amato e hoje vou  conversar com vocês um pouco sobre o colágeno oral.  Então esse é um tema que vem sendo muito polêmico ultimamente.  Muitas pessoas ficam na dúvida se devem tomar o colágeno oral ou não se ele tem  realmente efeito ou não.  Então o que é o colágeno? Colágeno é proteína da pele, que faz parte da nossa pele, o nosso  próprio organismo produz e ela gera a firmeza e elasticidade da pele.  Então quando a gente perde o colágeno, a gente vai percebendo uma flacidez de pele  como se a pele ficasse mais solta dos tecidos profundos e isso começa a acontecer a  partir dos 25, 30 anos de idade, a partir de então, a gente começa a ter uma degradação do  próprio colágeno da pele.  Além de produzir menos colágeno, então a nossa pele passa a produzir menos e a gente  perde mais, isso vai crescendo exponencialmente ao longo dos anos.  É por isso que a gente tem esse envelhecimento da pele e essa perda de  flacidez de elasticidade com uma consequente flacidez e isso é um dos estigmas de  envelhecimento. E aí então, o que  se pensou? Se a gente pudesse repor esse colágeno, talvez a gente não teria essa  perda e não teria tanta flacidez ao longo do tempo.  Então antigamente se pensava que a gente poderia adquirir esse colágeno através da  alimentação. Então muitos alimentos derivados de animais, então alimentos que  ficaram famosos por isso, como a gelatina, entre outros.  E a gente pensava que talvez isso pudesse repor  essa perda de colágeno, mas na verdade o  que acontece, esses alimentos eles têm uma partícula de colágeno muito grande e o nosso  organismo não consegue absorver.  Então não adianta a gente comer esse tipo de coisa que esse colágeno não vai ser absorvido  e aí a indústria então resolveu desenvolver um colágeno em partículas pequenas que seriam  o colágeno hidrolisado, são os peptídeos de colágeno.  Esse tipo de colágeno hidrolisado que são partículas pequenas, a gente consegue sim  absorver no nosso organismo.  Mas aí a questão é, isso funciona ou não funciona?  Então, existem muitos estudos a respeito disso para a gente tentar determinar o quanto  esse colágeno é hidrolisado via oral é eficaz ou não é o que eu acho mais importante  é a gente entender e alinhar as expectativas, porque em todos esses estudos o que se  observou é que esse colágeno hidrolisado via oral eles geram um benefício limitado, ou seja,  a gente consegue uma melhora de elasticidade de pele e uma melhora de grau de hidratação  da pele, mas a gente não vai ter uma melhora importante dessa flacidez que acontece ao  longo dos anos, então a gente não vai melhorar essa pele mais solta dos tecidos,  mais profundos, a gente não vai melhorar rugas, não vai melhorar vincos, nem nenhuma  dessas alterações mais importantes do envelhecimento.  Então, isso é a parte mais importante da gente entender sobre o colágeno oral, a gente  tem que alinhar as expectativas.  Ninguém vai ficar jovem por tomar o colágeno oral.  Mas se você tiver bem entendido, esse benefício limitado de que melhora um pouco a  textura, a hidratação da pele e a elasticidade.  Sim, ele vale a pena e aí muitas pessoas perguntam e o colágeno que eu tomo do meu  prescrito pelo meu ortopedista, ele ajuda na pele.  Esse colágeno prescrito pelo ortopedista, ele não é o mesmo colágeno que a gente usa para a  pele. Então ele não vai ajudar na pele, mas não existe nenhuma contraindicação em você  usar associadamente.  É uma coisa que é muito interessante também, é a gente associar o uso de colágeno via oral  aos procedimentos dermatológicos, porque na verdade essa flacidez de pele é importante,  esses vincos, essas rugas mais profundas.  A gente só vai conseguir resolver associando procedimentos dermatológicos, principalmente  os procedimentos que estimulam a produção de colágeno, então sejam os bio estimuladores de  colágeno, sejam os ultrassons microfocados.  Qualquer tipo de procedimento que vai estimular a nossa pele a produzir colágeno é  o que a gente percebe na prática clínica e que se a gente associar o uso do colágeno  oral aos procedimentos dermatológicos a gente tem uma melhora ainda mais importante  desse tipo de procedimento e aí sim, a gente vai conseguir uma melhora de flacidez de pele,  de vincos de rugas e outras outras queixas importantes que acontecem ao longo do  envelhecimento. Se você gostou desse vídeo, deixe o like e deixe seu comentário,  não esqueça de se inscrever no canal  e até o próximo vídeo!  

Qual sua nota para este artigo?

0 / 5

Your page rank:

Marcações:
>
error: Alerta: Gostou do nosso conteúdo? Assine nosso canal!!